Entenda a nova tendência de estabelecimentos Pet-friendly

Entenda a nova tendência de estabelecimentos Pet-friendly

Tem lugares que aceitam, mas é possível notar que o cão parece não fazer parte daquele ambiente. Potinhos com água e cantinhos destinados para as necessidades de cães e gatos podem estar espalhados pelo local, favorecendo o convívio e bem-estar entre os humanos e animais, sem incomodar ninguém ou causar acidentes. Além disso, é fundamental que o condomínio possua um regulamento interno claro e bem definido, que estabeleça diretrizes para resolver conflitos relacionados a pets de forma justa e imparcial. Também é recomendado contar com uma equipe de limpeza regular, que possa realizar a higienização adequada dessas áreas, garantindo um ambiente limpo e livre de odores desagradáveis. Promover palestras, workshops ou até mesmo disponibilizar materiais educativos sobre o tema pode ajudar a conscientizar os tutores sobre a importância de treinar e socializar adequadamente seus animais.

Disponibilizar brinquedos também é importante, pois, assim, os tutores podem realizar as suas atividades tranquilamente, enquanto os bichos também se divertem. Porém é importante entender o objetivo do local pet friendly, se ele for a interação entre tutor e cão, vale investir em brinquedos que promovam esse contato direto entre os dois. Eles proporcionaram benefícios tanto para os animais quanto para os tutores, pois fortalecem a imagem da marca, promoveram o turismo e o comércio local, melhorara na qualidade de vida dos tutores de animais. Para solucionar esse problema, é importante estabelecer horários específicos em que os pets podem ficar em áreas comuns e restringir o acesso a espaços mais sensíveis ao ruído, como corredores ou elevadores. Além disso, normas de limpeza devem ser estabelecidas para garantir que os tutores sejam responsáveis pela coleta e descarte adequado dos resíduos de seus pets. Alguns condomínios possuem restrições em relação ao tamanho, raça ou número de animais permitidos.

Portfólio dos Projetos de Arquitetura

Nesse sentido, vale a pena pensar em como adaptar o local para estar em concordância com as leis e regras vigentes. Pesquisas do IBGE apontam que existem mais pets do que crianças nos lares brasileiros por família. Levando em consideração esse dado, o nicho pet-friendly tende a crescer muito mais a cada dia que se passa. Junto restaurante a isso, os funcionários têm conhecimentos básicos,como, o tipo de raça e temperamento característico do animal. O porcelanato, por exemplo, é fácil de limpar, bonito e não sofre danos ao entrar em contato com água e desinfetantes. O comedouro automático para gatos tem feito cada vez mais sucesso entre os pais de pet.

O que é um espaço pet friendly?

Artrite x artrose nos pets: entenda as diferenças entre as doenças

No ambiente de trabalho, contar com a presença dos chamados “office pets” (bichinhos do escritório) é uma forma de descontrair a rotina, diminuir a tensão e promover integração entre a equipe. Para os cachorros, Gabriel recomenda um projeto que prioriza a ergonomia, deixando os móveis todos com regulagem, para que eles não tenham dificuldade de subir ou sentar em algum sofá, por exemplo. Além disso, ao usar mesas deste tipo, os tutores podem ajustar o espaço de acordo com o porte do animal. Contudo, muitos empresários acham que colocar uma plaquinha na porta falando que o espaço é pet friendly e aceitar a entrada dos peludos é o suficiente, mas não é bem assim.

Por que implementar o espaço pet friendly em ambientes corporativos?

As empresas, no geral, estão tentando se adaptar a tendência dos espaços pet friendly, impulsionada pelo isolamento social. Além disso, muitas pessoas gostam de estar perto de bichinhos de estimação, independentemente de serem delas ou não. Então, vale a pena planejar e estudar as leis para investir em um espaço pet-friendly. Afinal, a experiência que você vai proporcionar aos seus clientes será incrível. Sendo assim, os proprietários e gerentes de estabelecimentos devem pensar em maneiras de receber os pets para conquistar mais clientes. Como a quantidade de animais não para de crescer, a Vigilância Sanitária precisou se atentar à novidade, porque, do contrário, a presença de bichos de estimação aconteceria mesmo sem haver uma regulamentação específica.

Os consumidores gostam de saber que cachorros e gatos são bem-vindos a lugares que eles costumam frequentar. E, sem dúvida, a carência de lugares pet-friendly é grande, especialmente pelas regras que devem ser adotadas. Como é possível perceber, os animais de estimação estão presentes até nos ambientes mais inusitados, e essa novidade só tende a aumentar. Ao se declarar pet-friendly, o estabelecimento está informando que é amigo dos pets. Ele não só poderá entrar no estabelecimento, como também poderá permanecer junto do cliente. Então, desde que os espaços sejam bem delimitados e você siga as normas vigentes, não devem haver problemas com a vigilância sanitária.

Foi então que notou-se a importância do espaço pet friendly, para suprir a necessidade desse nicho. Além disso, o comércio também se beneficia, já que este é um mercado sem crise que cresce a cada dia. Assim, o dono pode estar sempre com ele, seja na academia ao ar livre ou no shopping. É claro que cada lugar vai ter suas próprias regras quanto a presença de animais naquele ambiente.

Muitas pessoas se perguntam como legalizar os serviços para ser pet friendly. O que existe são leis que proíbem a entrada de animais especificamente onde a comida é preparada — ou seja, na cozinha. É fundamental que o público tenha conhecimento de que no seu estabelecimento animais de estimação são bem-vindos. Portanto, faça uma ampla comunicação, use panfletos, redes sociais e comunicados na entrada do próprio local. Alguns estabelecimentos podem até permitir a entrada de animais, mas um ambiente que verdadeiramente os acolhe é um tanto raro. Então, investir em construir a identidade da sua marca como uma amiga dos pets é, certamente, algo promissor.

É possível implementar a cultura pet friendly em qualquer tipo de empresa, das maiores organizações até os menores escritórios. Na área destinada às necessidades fisiológicas, o empreendedor precisa colocar mais de um tipo de acessório que estimule o bicho a fazer xixi e cocô. Os postes são uma ótima forma de enriquecer esse ambiente, assim como as gramas sintéticas e os tapetes higiênicos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *